Pesquisar neste blog
 
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


Arquivo
Mais comentados...
10 comentários
7 comentários
5 comentários
4 comentários
3 comentários
3 comentários
3 comentários
Links
Choose your language
Ana Filipa

Cria o teu cartão de visita
Meteorologia
Click for Lisboa, Portugal Forecast
Contador de Visitas
hospedagem de sites
hospedagem de sites
Número de pessoas online
Visitantes do Blog
Protected by Copyscape Web Plagiarism Check
Protected by Copyscape Web Plagiarism Check
blogs SAPO
subscrever feeds
Terça-feira, 4 de Outubro de 2011
Fases do luto...

Não deixa de ser curioso, até porque já tinha ouvido falar delas num episódio da série "Anatomia de Grey".

 

Segundo o modelo Kubler-Ross, existem 5 fases pelas quais passamos quando perdemos alguém que nos é muito querido. Esse processo leva a que consigamos aceitar a perda e começar a reconstruir um equilíbrio.

 

1. Negação ou isolamento

2. Raiva (porquê eu?)

3. Negociação

4. Depressão ou culpa

5. Aceitação

 

Resolvi publicar estas informações, não por ter perdido recentemente alguém (Graças a Deus), mas porque achei interessante e por as confirmar quando olho para o passado e recordo quando perdi o meu avô.

 

 

1. Negação:- Ainda ele não tinha falecido, já eu infelizmente sabia o que ia suceder mais dia, menos dia! Tentava inventar teorias cientificas de cura da leucemia, pesquisava na internet e não me conformava que o meu avô, um homem de 1,85m, bem constituído, forte, sempre saudável, com cuidados com a alimentação, praticante de desporto, que nunca fumou ou bebeu... ia partir assim... de um momento para o outro...

No dia da sua morte, quis pensar que tudo não passava de um pesadelo, peguei no carro e conduzi a uma velocidade estonteante na esperança de acordar... Fui à Igreja e aí... acordei, mas para a realidade! Nos dias seguintes quando estava em casa dos meus avós sempre que ouvia a chave na porta e a minha avó a entrar, por segundos imaginava que era o meu avô... A minha consciência também negou o sucedido, pois continuava a sonhar como se nada tivesse sucedido.

 

2. Raiva:- Desejei a morte aos médicos, enfermeiros que a meu ver pareciam não querer tratar do meu avô. Cheguei a sentir o sangue nas veias a ferver com vontade de espancar a equipe médica que parecia subestimar o meu avô. Pareciam todos demasiados conformados e agiam de modo de quem demonstra a falta de esperanças. Após a morte, dentro de mim gritava: "Porquê o meu avô??? Não podia ser outra pessoa? Eu jurei-lhe que ele ia ver-me na Benção das Pastas." O meu avô que era como um pai para mim. Porque é que ia perder outra vez um pai, se o meu verdadeiro pai estava praticamente ausente da minha vida? Porquê o meu avô? Católico, uma pessoa razoável, alguém que me "protegia" das discussões da minha mãe do meu pai... Maldita doença que o levou em 3 meses... Odiei a doença... cada vez que me lembrava de como era a leucemia, odiava todos aqueles processos de divisão celular... Preferi que fosse eu a ter a doença, pois aí não me subestimavam por causa da idade... Mas afinal, com tanta gente neste mundo, porque é que tinha que ser o meu avô????

3. Negociação: - Pensei na idade dele. Lembrei-me que ele não poderia viver para sempre! Viver com aquela doença não ia ser agradável para ele! Que qualidade de vida teria? Pensei que ele não iria ficar feliz se soubesse que nós estávamos a sofrer por ele. Pensei e continuo a pensar que no fundo, esteja onde estiver, ele está a ver-me! E tento agir de modo a que ele se orgulhe de mim! Prometi olhar pela minha mana que ainda era tão novinha na altura. Ele admirava a nossa amizade e ligação! Ao ser feliz, sentia que ele ia ficar feliz!

 

4 Depressão ou culpa: - Para quê terminar o curso se o meu avô não está cá para o ver? Por que é que a médica de família não viu que as análises dele não estavam bem? Por que é que eu não desconfiei quando ele disse que estava demasiado cansado para ir plantar batatas na Mira (como todos os anos)? Para quê viver? Porque é que não aproveitei mais os conselhos do meu avô?

 

5. Aceitação: - As pessoas, nascem, crescem, vivem e morrem. Há que aproveitar cada momento da vida! Saborear os bons momentos juntos dos nossos ente queridos antes de os vermos partir. Beijar todos os dias a nossa mãe, abraçar a nossa irmã, deixar que a avó nos aperte, ir de férias com o pai... e aproveitar cada momento como se fosse o único. A vida é demasiado curta para desilusões, tristezas... Há que tirar estes entraves do nosso caminho e procurar viver da melhor maneira possível. A vontade do meu avô é de certeza que eu seja feliz... e como prova do meu amor, eu assim o vou fazer!

 

 

 

 



Publicado por... anynhasblog às 12:37
Link do post | Comments... | Adicionar aos Favoritos
 O que é? |  O que é?

Um pouco sobre mim...
Posts recentes

30 de dezembro 2013