Pesquisar neste blog
 
Dezembro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
31


Arquivo
Mais comentados...
10 comentários
7 comentários
5 comentários
4 comentários
3 comentários
3 comentários
3 comentários
Links
Choose your language
Ana Filipa

Cria o teu cartão de visita
Meteorologia
Click for Lisboa, Portugal Forecast
Contador de Visitas
hospedagem de sites
hospedagem de sites
Número de pessoas online
Visitantes do Blog
Protected by Copyscape Web Plagiarism Check
Protected by Copyscape Web Plagiarism Check
blogs SAPO
subscrever feeds
Sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2011
Mensagem do meu avô...

Por vezes encontramos coisas inesperadamente, mas não por acaso… (penso que isto já sucedeu a toda a gente). Encontramos sem querer uma foto de um amigo que faz anos hoje, acharmos o caderno do primeiro ano quanto estamos prestes a terminar a faculdade, o postal do nosso 18ºaniversário num dia em que achamos que estamos sós, etc…

 

São pequenas coincidências que nos fazem depois sentir como que um arrepio…

 

Hoje aconteceu-me algo deste género, mas algo mais sentido e profundo…

 

Estava a dar explicação e no monte de folhas de “rascunho” que uso para o meu explicando fazer exercícios, encontrei uma fotocópia de um recorte de jornal que logo pus de parte:

 

 

 

1ºFacto

É verdade, eu andava ainda no 7º ou 8ºano quando enviei uma história para o Jornal “Voz do Sado”. O meu falecido avô colaborava com este jornal da zona de Alcácer do Sal e certa vez descobriu uma história que eu tinha feito… (Eu sempre tive uma queda para a escrita e por vezes do nada fazia histórias… tenho inclusive ali umas guardadas de quando estava na primária). 

 

A descoberta do meu avô foi por “culpa” da minha irmã. Isso até sucedeu porque eu contei uma história à minha mana como conto para adormecer e ela reguila como era, contou a história toda aos meus avós, que depois me pediram para ver. Penso que essa história tão mediática está no meu site (que tem que ser actualizado, mas não à meio de arranjar um fundo e uma estrutura que goste e com a qual me identifique).

  

2ºFacto

 O meu avô pediu-me para ver as histórias que já havia escrito e ficou fascinado com a riqueza e moral das histórias que produzia em tão tenra idade. O meu avô sugeriu que eu partilhasse as minhas histórias (e mais tarde artigos) no Jornal “Voz do Sado”.

  

  

 

3ºFacto

 Foi já há algum tempo (lembro-me que foi na altura dos meus anos) que vi publicado no jornal “Voz do Sado” uma das minhas histórias. Acreditem que a sensação foi fabulosa… parecida à mesma que eu tive quando vi os meus artigos publicados na Cosmopolitan. Mas eu tinha apenas 13/14 anos e ver o meu artigo num jornal que ia ser lido por várias pessoas… foi um misto de vergonha, orgulho e surpresa. O meu avô era amigo também já do falecido Padre Luís Silveira de Alcácer do Sal, que era foi o criador da “Voz do Sado”. Infelizmente nunca conheci o senhor, mas cheguei a falar com ele ao telefone e ele elogiava bastante o que eu escrevia. Só me pedia para reduzir o tamanho dos meus textos (porque será???...). Por vezes tinha que enviar as histórias/ artigos às “prestações”. Houve uma freira que me chegou a escrever a elogiar a minha escrita, moral e os valores intrínsecos nos meus artigos.  

 

 

 

4º Facto

Durante a faculdade foi muito complicado conciliar a escrita de artigos mensais para o jornal com a quantidade de trabalho que a faculdade me exigia. Gradualmente fui deixando de escrever para o jornal.

 

 

 

5º Facto

Dias antes de o meu tão amado e querido avô falecer,  chamou-me e pediu que registasse o que ele ia dizer. Começou a ditar-me todos os jornais com os quais tinha colaborado ao longo da sua vida. Eu registei tudo, mas ao mesmo tempo tentava convencer o meu avô de que ele se ia tratar e que não valia a pena estar a fazer aquilo. No post “Homenagem ao meu avô” podem ver registado exactamente o que o meu avô me ditou. Aliás li isso no seu funeral inundada em lágrimas...

 

 

6ºFacto

Após a morte do meu avô ainda enviei um texto para o jornal “Voz do Sado” a relatar o quanto o meu avô tinha sido importante não só no seio familiar como na comunidade. Jamais irei esquecer que foi ele que me impulsionou para a escrita… Se nasci com o talento de escrever histórias/artigos, devo ao meu avô o incentivo de o fazer.

Durante estes últimos anos deixei de colaborar com o jornal “Voz do Sado”. Fez e faz falta a ausência do meu avô que "não está cá" para me “chatear”/incentivar a escrever artigos para o jornal…

 

 

 

7º Facto

Confesso que não deixei de me dedicar à escrita… sem querer e no meio do meu vício saudável pelo jogo The Sims, acabei por fazer sucesso num site brasileiro (http://thesims2.br.ea.com/) com as minhas histórias que tinham os Sims2 como cenário. O meu nick no site é Nynhas. Estão à vontade para consultar as diferentes histórias que lá estão publicadas “Destinos”; “Crueldade Familiar”; “A Bela e o Vampiro”e “Manas Catatuas”. Como escrevi essas histórias durante o período da faculdade não foi fácil arranjar tempo livre para o fazer. Mas ao jogar aquele jogo que tanto gostava (e gosto) dava azos à minha imaginação e escrita. Entretanto após o lançamento dos Sims 3, o site acima transcrito mudou a sua estrutura e começou a apresentar erros na história que estava a escrever na altura: “Destinos 2ªtemporada”. Perante tal frustração desisti de escrever a história no site. O fim daquele enredo está na minha cabeça, tenho as fotografias dos Sims tiradas, os textos estão feitos, mas os erros do site desmotivaram-me. Aí desisti. As histórias chegaram a estar no top das mais lidas e os users do site não poupavam os elogios que me faziam às histórias. Qualquer dia ainda a envio uma das histórias para a Sic ou TVI porque há lá umas que davam umas boas novelas… Tenho é que fazer cópias de segurança das mesmas, mas confesso que a paciência não é muita…

 

 

 

 

8º Facto

Depois de desistir do site, comecei a entrar no mundo do trabalho e o tempo livre passou a ser muito mais reduzido… agora o único sítio para onde escrevo é este meu blog e nas actas da escola… Acho que já estou a perder a capacidades e noto que a minha escrita já não é o que era… Já escrevi muito melhor…

 

 

 

9º Facto

Tenho como sonho escrever um livro… não quero morrer sem o fazer… Tenho imensas histórias em mente que gostava de colocar em “papel”. Imagino-me muitas vezes na varanda da casa do Algarve, a escrever no portátil e a dedicar-me de corpo e alma à escrita de um livro.  

É um dos meus grandes sonhos… escrever um livro… E como os sonhos não se realizam quando nos apetece, sei que há-de surgir o momento ideal. Depois quero publicar a história e se o fizer, já me sinto realizada se pelo menos 1 pessoa comprar o meu livro. É um desejo, um sonho que anseio... mas como qualquer sonho, eles só se realizam nos momentos próprios…

 

 

 

 

 

 

 

Escrevi isto tudo e afinal o que queria dizer é que não foi por acaso que encontrei a tal cópia do jornal…

 

Já lá vai algum tempo desde que fui visitar a campa do meu avô (e ele que uma vez perguntou se íamos visitar a campa dele quando ele morresse) … Penso que isto é um sinal do que tenho que fazer…

 

O facto de estar escrito “Parabéns à jovem Ana Filipa” senti que foi o meu avozinho que lá do céu, me quis dizer de alguma forma, que estará presente no meu 26º aniversário (idade que celebro na próxima Segunda-feira). Faz exactamente na segunda-feira  6 anos que seguíamos no meu antigo Opel para ir jantar à Lusitânia. Um buraco da Serra de Carnaxide custou-me uma roda do carro. Fiquei furiosa e enervada por tal me suceder no meu 20ºaniversário… Foi o meu avô que me mudou a roda do pneu do carro…

72 anos (quase 73anos e prestes a ser-lhe diagnosticada… aquela maldita doença), mas ainda forte para me mudar a roda do carro.

 

Eu estava tão furiosa com o sucedido, que ao entrar na Lusitânia tive o desplante de dizer que queria ficar numa mesa onde não houvessem pares de namorados ao pé… Bolas, dia dos namorados. O que é que eu esperava? O que eu não esperei foi o facto de ser o último aniversário que celebrei com o meu avô perto de mim.…Os aniversários com o meu avô faziam sempre a sua diferença quando ele tocava na flauta os “Parabéns a Você”. Confesso que muitas vezes enquanto canto os parabéns à minha avó, mãe ou mana, ainda ouço como música de fundo o som da flauta do meu avô… No meu aniversário não é diferente…

 

 

 

 

 

 

Encontrar o recorte que encontrei, fez-me perceber que o meu avô continua a zelar por mim, esteja onde estiver…


I feel: com saudades...

Publicado por... anynhasblog às 22:30
Link do post | Comments... | Adicionar aos Favoritos
 O que é? |  O que é?

1 comentário:
De Nuno Miranda a 16 de Março de 2011 às 22:50
Sem palavras, com saudade...
Beijinhos primita e parabéns pela excelente produção...


Comentar post

Um pouco sobre mim...
Posts recentes

30 de dezembro 2013